Traição conjugal como evitar?


Diante de tantos divórcios, tantas separações, a base sólida do casamento começa a ser questionada. Seria o casamento uma instituição falível? Obviamente quando se ouve a profecia do sacerdote dizendo "até que a morte os separe", logicamente a morte citada presumia morte física, mas aplica-se também a morte espiritual do casal. Quando unidos, ambos formam um só espírito, uma só corpo, uma só carne, como citado nas cerimônias. A dificuldade está em manter firme a relação, torná-la aprazível ao longo dos anos. Uma das razões mais comuns nos divórcios é o adultério, causa da maioria das separações, mas porque? Porque se trai tanto nos dias de hoje? Quando alguém trai, o faz por algumas razões comuns, vou citar três destas razões apenas: Primeiro - Alguém trai por insatisfação sexual na relação conjugal. Mas não seria caso para parar e conversar com o outro? Buscar mudanças nas formas de agir de ambos? Nestes casos o melhor a fazer é buscar um diálogo aberto, franco e expor a questão ao outro, procurar inovar, buscar locais diferentes, situações diferentes, criar situações que seduzam, que despertem no outro o desejo. Provoque-o, vista-se para o outro, seduza-o, releia o passado e veja quais as situações que o outro gostava,mas não traia. Muitas vezes encontra-se alguém que sexualmente satisfaz, mas deixa a desejar em outros âmbitos da relação. Pergunte-se: Vale a pena se expor tanto, arriscar-se tanto, vulgarizar-se tanto? Segunda razão - Trai-se por não resistir ás tentações externas. Estapafúrdia esta razão, de todas é a menos aceitável. Dizer que "a carne é fraca" é fácil, justificar-se no erro. "Ninguém é tentado além do que possa resistir", ora que diria um cônjuge ao perceber que traiu e também fora traído? Obviamente haveria aquela discussão, xingamentos e muitas vezes vai-se até as vias de fato. Ué, se a carne é fraca, chumbo trocado também não dói, não é assim o dito popular? A terceira razão é óbvia: Trai-se porque o outro traiu. Meu Deus! Olho por olho e dente por dente? Não se justifica e até parafraseando um famoso cantor em sua música que falava de outra questão, "um erro não conserta o outro". E a moral, fica onde? Cadê a autoridade diante do outro? Não, não. A traição deve ser encarada com seriedade como um mal neste século, dada a facilidade que se tem e a propagação de oportunidade criadas nos mais diversos ambientes em que se convive. No trabalho, na rua, na vizinhança, em todo canto sempre tem alguém disponível para aquela escapadinha furtiva que resultará na destruição do seu casamento. A saída para tudo isso é manter-se firme, saber que seu objetivo é respeitar sua família e ter autoridade sobre qualquer situação que coloque em risco sua relação. Voce consegue, claro que sim. A carne é fraca, mas quem manda é a cabeça, procure ter uma cabeça forte para vencer a tentações e faça do seu casamento algo que só terminará quando realmente a morte física chegar.