Crônicas - Mineirices.


Crônicas-Mineirices
Tudo começou quando um baiano apaixona-se por uma mineira. Eita ferro, ai danou-se. O que era porreta passou a ser bão demais da conta. Tava ruim do baiano acostumar com aquele jeito mineiro de diminuir "tudim". De manhã ela o acordava assim:
- Mozim, ocê quer um cafezim?
Arre égua! Diacho de linguajar era aquele oxente!
Mas o bicho pegava mesmo quando ela empenava tudo na base do "negocim", "tiquim" e "gostosim". O susto veio quando um dia ela o viu por a carteira porta cédula no bolso e falou:
- Mozim, tú vai por este trem ai no bolso vai massar tudim.
Meu Jesus! Ele quase teve um negócio. Acostumado falar em "gota serena", "pexte", "diacho", "bixiga" e outros bichos, o baiano quase infartou, tadinho.
Conviver com o "uai" até que foi fácil, mas aguentar o tal "trem" era complicado! A culinária de Minas é um delícia e foi ai que o baiano viu a mineira entrar em cena ao provar seu delicioso Tutú de Feijão. Parece polenta, mas o gosto é bão demais da conta, como diz ela. Gostoso mesmo foi descobrir que para mineiro um bocado é um "cadim", Tudo de bom é Tudibão e o WhatsApp gente é zap, não é bonitim?
Coisas de Minas que meu mozim trouxe pra mim. Abração a todos os leitores e leitoras do Estado de Minas Gerais e aproveito para dizer que ocêis são um povo bão demais da conta. Beijão.

Texto de Tony Casanova - Direitos Autorais Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução ou divulgação de qualquer espécie ou em qualquer meio sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 By Tony Casanova - All Right Reserved.