Dia das Crianças I Um retorno á minha infância.


Sempre que chega o mês de Outubro, Dia das Crianças, eu fico nostálgico. Me pego viajando na minha infância, relembrando os momentos em que brincava com amiguinhos, sorria atoa e adorava doces. Naquela época não havia Vídeo games, Smart phones, Celulares e nada da tecnologia que hoje se vê nas mãos das crianças. Tudo era artesanal, desde os carrinhos feitos de latas de óleo com rodeiras de pau, até as pipas de papel manteiga e palitos de coqueiros. Coloríamos o céu soltando nossas pipas e suas imensas rabiolas. Neste tempo até o céu parecia ser diferente! Sei lá, era mais azul com nuvens mais brancas, eu acho.
Era uma festa poder ir dar uns mergulhos nos riachos e lagoas que existiam. Era aquela reunião, uns metidos a escoteiro, outros medrosos, mas todo mundo ia naquelas aventuras inesquecíveis. As vezes íamos bem longe, conversando pelo caminho, contando piadas e mentiras, tudo era festa. E quantas pescarias eu fui. Tantas que nem lembro de todas. Eu era melhor nas estórias de pescador que na pesca. Pegava piabas, corós, barrigudas, lambaris e até cobras vinham na rede. No anzol eu não pegava era nada! Tinha jeito não! Mas na pesca de siris e camarões eu me garantia. Uma das brincadeiras que eu mais gostava era a de “pneus”. Pegávamos um pneu velho, colocávamos dois cabos de vassouras um de cada lado do pneu, enfiados na abertura para a câmara de ar e fingíamos que aquilo era um carro. Mas atenção; tinha que por um óleo qualquer dentro do pneu para que a madeira dos cabos de vassouras deslizassem dentro do pneu. E corríamos com aquilo pelas ruas, “freando” o carro apertando os cabos de madeira.
Não tinha costume de receber brinquedos, tudo era considerado caro, mas sempre ganhávamos alguma coisa e fosse o que fosse, era motivo para alegria. Ser criança não tem preço e hoje eu sinto falta daquela época. Jogar gude, futebol na rua, ir a praia, brincar nos morros de areia branca, brincar de pega-pega, salve-a-latinha, soldado-pega-o-ladrão, cola-descola, enfim tudo era brincadeira agradável. Idos da minha infância onde ser criança era ser feliz.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, divulgação em qualquer ou reprodução de qualquer espécie, no todo ou parte dele, sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova. All Rights Reserved.