O caminho da felicidade. [Tony Casanova]


É tão comum quando estamos entre amigos ouvir alguém se lamentando da vida, reclamando situações e alegando tristeza que acabamos por entristecer junto. Já ouvi nos finais de ano tanta gente desejar felicidade aos outros, mas será mesmo que entendemos tanto de felicidade quanto procuramos demonstrar? Para você, o que é felicidade? É lógico que muita gente atribui o sorriso a um sintoma de felicidade, mas a verdade não é bem esta. Nem sempre quem sorri está feliz, assim como nem sempre chorar representa tristeza. Quantas vezes estamos sorrindo por fora e chorando por dentro ou choramos de alegria?
Já percebemos que a felicidade é um estado independente, que produz bem estar e satisfação. Porque eu descrevi a felicidade como “estado independente”? Eu explico: Em nossas teorias poderíamos supor que a felicidade depende de boas ações, de coisas boas, agradáveis. Ocorre que ela não depende de nada disso e pasmem, as más ações também geram felicidade. Ato falho, aqueles que cometem crimes sentem-se felizes por tê-los cometidos, logo descobrimos que a felicidade é individual e que nem sempre as mesmas ações geram satisfação em todos apesar de produzirem felicidade em quem as comete. Assim fica claro que a felicidade é um estado de espírito. Falei em estado independente porque independe de beleza, riqueza, credo, cor, status ou qualquer outra coisa para sermos felizes.
Opostamente a felicidade está a tristeza, esta que nos leva a acreditar que para sermos felizes precisamos sempre de algo além do que já possuímos. Não é verdade, mesmo porque já vimos que a felicidade não depende de nada para existir, ela existe, está ali dentro de nós pronta para ser liberada e vivida com intensidade. Podemos ser felizes em qualquer situação. Note que eu não falei para sorrirmos diante de tudo, mas podemos ser felizes de forma moderada, sem os manifestos da alegria ou do riso solto. Partindo da filosofia de que a mente domina o corpo, se estivermos bem mentalmente, nosso corpo estará bem também, desta forma se formos interiormente felizes, mesmo que de forma moderada, teremos esta felicidade transportada para nosso corpo. Lembrem-se da famosa citação do poeta romano Juvenal; “Mens sana in corpore sano”.
Sabendo que não há meios-termos nesta esfera, ou se está feliz ou não, podemos definir felicidade apenas pelo fato de não estarmos infelizes, óbvio. Funciona simples assim: Você está bem, está tranquilo(a) mesmo que não tenha razões elementares para sorrir ou pular de alegria?
Ótimo, então você está feliz. A felicidade não é só festa, motivos para comemorar, explodir de emoção, ela também é sóbria e existe mesmo nos momentos mais comuns em que estamos mais retrancados. O importante nisso tudo é que sabemos que ela está dentro de nós e pode ser liberada assim que quisermos. A felicidade é como uma Norma de Conformidade onde devemos querer sempre o futuro como complemento, mas jamais deixá-lo interferir no presente a ponto de nos entristecer. Se o emprego dos teus sonhos ainda não veio, calma não precisa entristecer. Continue na batalha, firme, perseverando que em breve acontecerá. O mesmo para todos os seus objetivos e sonhos, mas jamais esqueça de ser feliz hoje, agora, já.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova. Direitos Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova.