Informática - Seu download pode conter um presente de Gregos. [Tony Casanova]


Estamos no período natalino, época de confraternização, alegria e compras, muitas compras. Você então resolve dar-se de presente um telefone novo, um maravilhoso Smartphone, aquele dos teus sonhos. Vai até a loja e conversa com o vendedor e resolve comprar. A marca é confiável, o Sistema Operacional é atual (segundo o vendedor) e já vem com aplicativos pré-instalados. Eis a nossa questão de hoje: Os aplicativos pré-instalados, este que são “Nativos” e não podem ser movido para o cartão de memória e muito menos removidos. Você tenta eliminar aquele jogo chato e nada de conseguir. E não conseguirá mesmo, relaxe. Esta é uma manobra conhecida dos fabricantes e desenvolvedores do SO. Você compra o aparelho e é obrigado(a) a levar junto aquilo que você não deseja.
Falamos de aplicativos sem falar em vários outros mecanismos de “rastreamento” que tem o pretexto de localizar, tornar mais prático o serviço, etc e etc. Existe o GPS, o tal dispositivo de Backup em nuvem, a coleta de dados de histórico para melhoria de sistema, a sincronização de várias contas de e-mail, o de música, o player de vídeo, o backup de documentos em nuvem, enfim uma parafernália de aplicativos que consomem a memória e você não vai utilizar, mas os botões estão colocados estrategicamente próximo, de forma que errando você abre um destes presentes de Grego. Em uma boa época em que os desenvolvedores respeitavam a privacidade dos clientes, o SO vinha “pelado” ou seja, apenas com os drives básicos que rodam o Sistema, nada mais. Todos os programas que o usuário desejasse, ele mesmo baixaria em sites de download.
Hoje nos Smartphones e similares vem jogos, players em nuvem, arquivo de documentos em nuvem ou seja, o desenvolvedor ou quem quer que se apodere dos meios adequados, podem ter acesso a tudo que se faz no aparelho. Uma quebra fenomenal de privacidade enrustida no pretexto de que são serviços essenciais ao sistema. Mas este privilégio das manobras não ficou só com desenvolvedores e fabricantes de aparelhos, mas passou a ser imitado por grandes sites de download. Aqueles sites que antes eram vistos pelo usuário como “confiáveis”, agora despertam a desconfiança deles quando permitem downloads casados. Você visita um destes sites, muitos que estão no mercados há vários anos, confia no que vai baixar, escolhe o Aplicativo e surpreende-se quando descobre que junto com ele vieram Antivírus, Barra de Ferramentas, Buscadores, Limpadores de sistema, melhoradores de desempenho, enfim vários aplicativos que você não desejava.
Nunca houve na História da Internet, algo pior, mais pernicioso que Spam e as Autoridades ligadas ao setor prometiam acabar com esta prática, mas agora a porta escancarou. Vários aplicativos ditos Free são apenas janelas para encher seu dispositivo de propagandas. Tudo ocorre não só em Smartphones, mas em Notebooks, Desktops e similares. Grandes companhias que levaram anos conquistando o respeito do usuário simplesmente jogam tudo fora por uma questão explicitamente comercial e financeira. O que poucos usuários sabem é que qualquer site, mesmo que seja ele do desenvolvedor do SO, que disponibilizar um aplicativo seja ele casado ou não e que venha a lhe trazer danos ao dispositivo, é legalmente responsável perante a Lei e está passivo de Processo Judicial e Indenização por Perdas e Danos, mesmo que o aplicativo em questão seja de terceiro, o site que o disponibiliza responde solidária e legalmente por qualquer dano causado. Acredito que esta prática só deve mudar quando começarem a surgir as primeiras avalanches de Processos Judicias contra estes sites ou mesmo os desenvolvedores de SO.

Texto do escritor brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais Reservados. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele, sem autorização expressa do autor, sob pena de infração ás Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais.