Vamos fazer amor? [Tony Casanova]


Desde que o mundo é mundo que homens e animais praticam sexo. Praticar é bom, prazeroso, agradável, mas é preciso entender o que se faz para que se faça melhor. Não adianta sair por ai fazendo por fazer, com qualquer pessoa. Afinal somos humanos e racionais, não animais dominados pelos instintos. Animais como felinos, caprinos, ovinos e suínos, estes que convivem muitas vezes em nosso dia a dia, são dados a sexo também, mas eles agem instintivamente, nós não. Outra coisa; cuidado com este negócio de andar por ai dizendo que vai “fazer amor”. Que fazer amor que nada! Tu vai é fazer sexo mesmo. Amor é outra coisa. Se fazer sexo fosse fazer amor nós faríamos com nossos pais. Tá louco!
O sexo é algo profundamente físico, muito ligado à química que dinamiza nossos corpos. Sexo é hormonal, é hormônio puro! Quando sentimos desejo nosso corpo sente um formigamento, um calor, arrepios. O coração acelera, a respiração ofega, nosso sangue se agita. Isso é sexo, é tesão. Amor é outra coisa totalmente diferente. O amor é racional. Não está no corpo, está na alma, no centro das nossas vontades. O amor não se curva diante de ninguém, mas nos dobra quando preciso. O amor é algo surpreendente que jamais deveria ser comparado ao sexo. Além disso o sexo faz gemer e o amor faz chorar, a menos é claro que alguém te provoque uma dor filha da mãe e você ao invés de sentir prazer sinta dor. São esferas distintas o Amor e o Sexo, não devem ser comparados porque tem consequências diferentes no ser humano. O amor nos diferencia dos animais, o sexo nos torna semelhantes a eles.
Mas voltando ao tema, o sexo não deve ser algo banal. Algo que se faça assim que se sente vontade, mesmo porque ele não é só um desejo do corpo, mas uma necessidade dele e portanto devemos ser qualitativos, seletivos em relação a parceiros. Não há nada errado em sentir desejo, ninguém o controla quando ele vem e cada um vira-se como pode para saciar sua vontade, mas há algo que não podemos ser; vulgares. Banalizar o sexo é tornar-se vulgar, fazer parecer que você está beirando o desespero, mas nós dois sabemos que não é bem assim. Dá para se conter e evitar sair se entregando a qualquer pessoa só porque sentiu aquela pulsadinha lá, bem você sabe onde. É preciso valorizar-se, dar a você o valor que você tem e não tornar-se objeto do prazer alheio.
Vivemos em um tempo estranho onde as pessoas perderam a noção e estão se relacionando com animais, com objetos e com qualquer outra apenas para sentir prazer. Um tempo onde a liberdade sexual parece ser um grito mais forte que o nosso amor próprio, nosso respeito. Espera ai pessoal, não é bem assim que a banda toca. Devagar com a liberdade. Ela é um direito sim, sabemos disso, mas e quanto a nós, vamos viver semelhantes a animais irracionais, copulando e contraindo doenças, perdendo a vergonha e vivendo de sexo? Esta seria uma boa hora para lembrarmos que fomos criados diferentes para nos destacarmos e não para sermos iguais.

Texto do Escritor Brasileiro Tony Casanova. Direitos Reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer espécie ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele sem autorização expressa do autor sob pena de infração ás Leis Brasileiras de Proteção aos Direitos Autorais.
Copy Right 2014 by Brazilian Writer Tony Casanova.