Relacionamento - A dinâmica das relações. [Tony Casanova]


De que estamos rindo afinal? Acordei me fazendo esta pergunta. Fiquei pensando em como estamos levando a vida pensando em levar vantagens em tudo! Em que nos tornamos? Uma sociedade ambiciosa que busca seus próprios interesses e esquece dos interesses coletivos. Onde está o Direito que gritamos ter e onde começa o Direito Coletivo, será que só nós temos Direitos ou todos tem? Se observarmos o mundo de forma egoísta e individual só veremos os nossos próprios Direitos, mas se a virmos enquanto cidadãos saberemos que todos tem Direitos iguais. Mas que diabo de Direito é este? Eu vou abordar apenas um dos Direitos Coletivos, mas não de forma habitual, não na linguagem jurídica e sim em uma linguagem que você entenderá, todos entenderão.

O Direito à Vida.

Quem possui este Direito? Todos e tudo que for vivo, seja abstrato ou concreto, metafórico ou real, tudo tem Direito à vida, posto que está vivo e assim deve permanecer até que naturalmente se vá.

Vamos então invadir uma área do interesse de todos; as relações conjugais. Já citei aqui várias vezes o famoso “Juramento Nupcial” , aquele que diz “...Até que a morte vos separe.” De que morte estamos falando neste juramento, a morte física ou a morte espiritual? Eu diria que falamos de ambas. Quando todos os sustentáculos que mantém uma relação de pé deixam de existir, ela simplesmente vem ao chão. Ela morre. Perde a razão de existir. Como tudo que perece, ela tende a se decompor, terá uma aparência incrivelmente desagradável, repugnante. Já não há mais a beleza de antes, a beleza típica da vida, mas uma aparência, funesta, fúnebre. E já me perguntaram: - O casamento não deveria ser eterno? Sim. Respondi e acrescentei – Para que todo dever se torne um fato é preciso ser cumprido. A Instituição Casamento foi deliberadamente criada para ser eterna, mas para isto depende da fé e sem fé a eternidade não existe, assim como o amor, a paixão e todas as coisas que deveriam perdurar.
É certo e sabido que o Ser Humano precisa ser estimulado, motivado para ter dinâmica. O que o estimula é a sua fé, as coisas em que acredita e que lhe motivam. Se acredita em si mesmo, em tudo que deseja e que faz, sua dinâmica será um mundo conduzido pela sua fé, levando-o a não desviar-se deste caminho. Quando esta rotina é quebrada e o Ser passa a acreditar em outros estímulos, descobre que deverá renunciar da própria fé para renová-la e renúncia não é algo que humanos aceitem bem. Cada um de nós precisa ter motivação para viver e cada um capta onde pode estas motivações. São estas motivações que nos mantém vivos, que nos levam a acreditar em alguém ou algo superior. Porém é preciso saber que para tudo que vive, existe a morte, estas motivações geradoras de fé podem também morrer.
A dinâmica conjugal não é diferente de nenhuma outra. Se acreditamos, ela vive, senão ela morre. Como somos tendentes a lutar pelo que acreditamos, a luta representa que ainda temos esperança, mas vale lembrar que a Esperança é a Ressurreição da fé, portanto ela já estava morta e precisava ressurgir. Sobretudo nos cabe o conforto de saber que o mais importante sustentáculo de qualquer relação é a fé, uma vez perdida, ainda nos restará a esperança e esta não se deve perder nunca, porque sem ela, só sobra a morte.

Texto do escritor brasileiro Tony Casanova . Direitos Autorais reservados ao autor. Proibida a cópia, colagem, reprodução de qualquer natureza ou divulgação em qualquer meio, do todo ou parte dele, sem autorização expressa do autor, sob pena de infração ás Leis Brasileiras e Internacionais de Proteção aos Direitos Autorais.

.........................................................................................................................

Relationship - The dynamics of relationships. [Tony Casanova]

That we are laughing anyway? I woke up asking me this question. I wondered how we lead our lives thinking about taking advantages at all! We become? An ambitious company that seeks its own and forget the collective interests. Where is the law that have shouted and where begins the Collective Law, is it only we have rights or everyone has? If we look at the world of selfish and individually we will only see our own rights, but if we see it as citizens know that everyone has equal rights. But that Law hell is this? I will address only one of Collective Rights, but not in the usual way, not in legal language, but in a language you understand, everyone will understand.

     The Right to Life.

     Who has this right? Everyone and everything that is alive, whether abstract or concrete, metaphorical or real, everything has right to life, since it is alive and should remain so until naturally go.

     Let's invade an area of interest to all; marital relations. I have mentioned here several times the famous "Bridal Oath," who says "... Till death do you part." What we're talking about death in this oath, physical death or spiritual death? I would say that we talk about both. When all the pillars that holds a standing relationship cease to exist, it simply comes to the floor. She dies. Loses its reason for being. Like everything perishes, it tends to break down, have an incredibly nasty, disgusting appearance. There is no longer the beauty before, the typical beauty of life, but an appearance, dismal, funereal. And have asked me: - The marriage should not be eternal? Yes I said and added -. For every duty becomes a fact you have to be fulfilled. The Institution Marriage was deliberately designed to be eternal, but it depends on faith and without faith eternity does not exist, just as love, passion and all things that should endure.
     It is true and known that the human being needs to be stimulated, motivated to be dynamic. What moves him is his faith, the things you believe in and that motivate you. If you believe in yourself, everything you want and what you do, its dynamics will be a world driven by their faith, leading him to not deviate from this path. When this routine is broken and the Self comes to believe in other stimuli, discovers that should resign from their faith to renew it and renunciation is not something that humans accept well. We each need to have motivation to live and each captures where can these motivations. These are motivations that keeps us alive, that lead us to believe in someone or something higher. But one must know that for all who live, there is death, these generating motivations of faith may also die.
     The couple dynamic is no different than any other. If we believe she lives, but she dies. As we are aiming to fight for what we believe, the fight is that we still have hope, but remember that Hope is the resurrection of faith, so she was dead and needed to resurface. Particularly in it is the comfort of knowing that the most important mainstay of any relationship is faith, once lost, we still remain the hope and this should never lose, because without it, remains the only death.

      Text Brazilian writer Tony Casanova. Copyright reserved to the author. The copying, collage, reproduction or disclosure of any kind in any medium, in whole or part without the express permission of the author, under penalty of infringement ace Brazilian Laws and International Protection of Copyright.

.................................................................................................................

Relación - La dinámica de las relaciones. [A Tony Casanova]

Eso nos estamos riendo de todos modos? Me desperté me haga esta pregunta. Me preguntaba cómo vivimos nuestras vidas pensando en tomar ventajas en absoluto! Nos hacemos? Una empresa ambiciosa que busca su propia y olvidar los intereses colectivos. ¿Dónde está la ley que han gritado y donde comienza el Derecho Colectivo, es que sólo tenemos derechos o cada uno tiene? Si nos fijamos en el mundo de egoístas e individualmente sólo veremos nuestros propios derechos, pero si lo vemos como ciudadanos saber que todo el mundo tiene los mismos derechos. Pero esa Ley demonios es esto? Me referiré a uno solo de los derechos colectivos, pero no de la manera habitual, no en el lenguaje jurídico, pero en un idioma que entienda, todo el mundo va a entender.

     El Derecho a la Vida.

     ¿Quién tiene ese derecho? Todo el mundo y todo lo que está vivo, ya sea abstracto o concreto, metafórica o real, todo lo que tiene derecho a la vida, ya que está vivo y debe seguir siéndolo hasta que ir de forma natural.

     Vamos a invadir un área de interés para todos; las relaciones conyugales. He mencionado varias veces aquí el famoso "Juramento nupcial", que dice "... Hasta que la muerte los separe." Lo que estamos hablando de la muerte de este juramento, la muerte física o la muerte espiritual? Yo diría que hablamos de ambos. Cuando todos los pilares que sostiene una relación de muchos dejan de existir, simplemente se trata de la planta. Ella muere. Pierde su razón de ser. Como todo perece, tiende a romperse, tiene una apariencia desagradable increíblemente desagradable. Ya no existe la belleza antes, la belleza típica de la vida, sino una apariencia, triste, fúnebre. Y me han preguntado: - El matrimonio no debe ser eterna? Sí, le dije y añadí -. Para cada deber se convierte en un hecho que tiene que ser cumplido. La institución del matrimonio fue deliberadamente diseñado para ser eterna, pero depende de la fe y sin fe la eternidad no existe, así como el amor, la pasión y todas las cosas que deben soportar.
     Es cierto y conocido que el ser humano necesita ser estimulado, motivado para ser dinámico. Lo que le mueve es su fe, las cosas en las que crees y que te motivan. Si crees en ti mismo, todo lo que quieren y lo que hace, su dinámica será un mundo impulsado por su fe, que lo llevó a no desviarse de este camino. Cuando esta rutina se rompe y el Yo llega a creer en otros estímulos, descubre que debe renunciar a su fe para renovarlo y la renuncia no es algo que los humanos aceptan bien. Cada uno de nosotros necesita tener motivación para vivir y cada captura donde pueden estas motivaciones. Estas son las motivaciones que nos mantiene vivos, que nos llevan a creer en alguien o algo superior. Pero hay que saber que para todos los que viven, hay muerte, estas motivaciones que generan de la fe también pueden morir.
     La pareja dinámica no es diferente de cualquier otro. Si creemos que ella vive, pero ella muere. Como nuestro objetivo es luchar por lo que creemos, la lucha es que todavía tenemos esperanza, pero recuerda que la esperanza es la resurrección de la fe, de modo que estaba muerto y que necesitaba para resurgir. Particularmente en ella es la tranquilidad de saber que el pilar más importante de cualquier relación es la fe, una vez perdida, seguimos siendo la esperanza y esto nunca debemos perder, porque sin ella, sigue siendo la única muerte.

      Texto escritor brasileño, Tony Casanova. Derechos de autor reservados al autor. La copia, collage, reproducción o divulgación de cualquier tipo en cualquier medio, total o parcialmente, sin el permiso expreso del autor, bajo pena de infracción as leyes brasileñas y Protección Internacional de los Derechos de Autor.